Consentimento livre e esclarecido: ainda uma ferramenta útil na ética em pesquisa

Autores

  • Florencia Luna Universidade de Buenos Aires, Faculdade Latinoamericana de Ciencias Sociais, Buenos Aires, Argentina

DOI:

https://doi.org/10.3395/reciis.v2i0.866

Palavras-chave:

termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE), termo de assentimento, consentimento voluntário, livre direito de escolha, autonomia, países em desenvolvimento

Resumo

Este artigo discute o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE): sua evolução, seus principais desafios e seus pressupostos teóricos. Esse processo passa pela inter-relação do TCLE com a história, com a evolução da ética em pesquisa e com os abusos cometidos em estudos biomédicos. O artigo apresenta as objeções feitas ao TCLE, em especial as que surgem com relação a sua implementação nos países em desenvolvimento. Aborda também os problemas de natureza epistemológica e aqueles relacionados à capacidade de ação, dadas as condições contextuais em que o TCLE é obtido. Expõe, ainda, a justificativa tradicional do TCLE como oferecida pelo Relatório Belmont, bem como uma freqüente simplificação dessa justificativa, enfocando apenas o aspecto deliberativo do TCLE, em que a ênfase na autonomia ou na deliberação supõe uma visão inapropriada dos sujeitos de pesquisa.

Publicado

2008-12-01