A masculinidade tóxica no discurso da saúde pública: estratégias de convocação dos homens em campanhas do SUS

Eliza Bachega Casadei, Victoria Sayuri Freire dos Santos Kudeken

Resumo


Posto que há um imbricamento entre os discursos públicos de saúde que classifiam patologias e os modos de subjetivação que se materializam em discursos de consumo, o objetivo do presente artigo é mapear discursos sobre masculinidade que se entrecruzam no discurso da saúde pública sobre masculinidade tóxica. A partir dos pressupostos metodológicos da análise crítica do discurso, analisaremos os discursos que apelam para os modos de subjetivação em duas campanhas do SUS sobre masculinidade tóxica para que possamos explorar as formas de convocação do público masculino nelas presentes. É possível observar, em tais campanhas, a contraposição narrativa entre uma masculinidade saudável e outra doente, o deslocamento da responsabilidade pela saúde das instituições sociais para o indivíduo e elementos de legitimação do discurso que reforçam a masculinidade hegemônica nas mesmas peças (no caso, vídeos) que visam questioná-la.

Palavras-chave


Comunicação; Masculinidade; SUS; Discurso; Saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i4.2094

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil