Desinformação versus democracia: as relações do jornalismo, da ciência e da saúde na promoção de uma vida democrática

João José Figueira da Silva

Resumo


Em entrevista à Reciis, João Figueira comenta sobre a sua atuação, por mais de 20 anos, como jornalista em alguns dos principais jornais portugueses e sobre a sua trajetória de pesquisa, considerando-a como um prolongamento e uma paixão pelo jornalismo. O pesquisador discorre sobre uma questão que, categoricamente, afirma não ser nova: a desinformação. No entanto, especifica-a, na contemporaneidade, considerando a maneira como a desinformação circula, dada a emergência e a afirmação das redes sociais on-line. Os conteúdos se disseminam mais velozes e fragmentários por uma economia das emoções. Valores e crenças se sobrepõem à evidência. João Figueira analisa que a prática jornalística tem seguido a mesma dinâmica das redes sociais on-line, perdendo a sua importância e fazendo-o questionar: “Por que as pessoas querem as notícias? Qual a importância das notícias nas vidas das pessoas?”. O jornalismo, a saúde e a pesquisa científica estão fortemente atrelados a governos democráticos. Esse é o grande desafio que o mundo contemporâneo nos coloca: uma vida democrática. João Figueira é professor de Jornalismo na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.


Palavras-chave


Comunicação; Informação; Mídia; Redes sociais; Portugal.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRE, Ilo; YOO, Joseph Jai-sung; MURTHY, Dhiraj. Make tweets great again: who are opinion leaders, and what did they tweet about Donald Trump? Social Science Computer Review, Londres, p. 1-22, 2021. DOI: https://doi.org/10.1177/08944393211008859. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/08944393211008859. Acesso em: 06 jun. 2022.

BAKIR, Vian; MCSTAY, Andrew. Fake news and the economy of emotions: problems, causes, solutions. Digital Journalism, Londres, v. 6, n. 2, p. 154-175, 2017.

FAIRHURST, Gail T.; PUTNAM, Linda. As organizações como construções discursivas. In: MARCHIORI, Marlene. (org.). Comunicação e organização: reflexões, processos e práticas. São Caetano do Sul: Difusão, 2010. p. 102-148.

FIGUEIRA, João. O acontecimento que quer ser notícia: a construção de sentido das Organizações através dos media – O caso A Vida é Bela. 2014. 461 f. Tese (Doutoramento em Letras) – Universidade de Coimbra, Coimbra, 2014.

FIGUEIRA, João. Os jornais como actores políticos: o Diário de Notícias, Expresso e Jornal Novo no verão quente de 1975. Coimbra: Minerva Coimbra, 2007.

FIGUEIRA, João; SANTOS, Sílvio (org.). As fake news e a nova ordem (des)informativa na era da pós-verdade. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2019a.

FIGUEIRA, João; SANTOS, Sílvio. Percepción de las noticias falsas en universitarios de Portugal: análisis de su consumo y actitudes. El Profesional de la Información, Léon, v. 28, n. 3, p. e280315. 2019b. DOI: https://doi.org/10.3145/epi.2019.may.15. Disponível em: https://revista.profesionaldelainformacion.com/index.php/EPI/article/view/epi.2019.may.15. Acesso em: 06 jun. 2022.

GILLMOR, Dan. Nós, os media. Lisboa: Editorial Presença, 2005.

LIBERDADE. Compositor: Sérgio Godinho. Intérprete: Sérgio Godinho. In: À queima roupa. Intérprete: Sérgio Godinho. Lisboa: Guilda da Música, 1974. 1 disco vinil, lado A, faixa 1 (3:16 min).

MARCHIORI, Marlene et al. Comunicação e discurso nas organizações: construtos que se relacionam e se distinguem. Comunicação & Sociedade, São Bernardo do Campo, v. 32, n. 54, p. 211-238, 2010. DOI: https://doi.org/10.15603/2175-7755/cs.v32n54p211-238. Disponível em: https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/CSO/article/view/1960. Acesso em: 06 jun. 2022.

MESQUITA, Mário. Os meios de comunicação social. O universo dos media entre 1974 e 1986. In: REIS, António (coord.). Portugal: 20 anos de democracia. Lisboa: Círculo de Leitores, 1993. p. 360-405.

MOLOTCH, Harvey; LESTER, Marilyn. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, Nelson. (org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Lisboa: Veja, 1993. p. 34-53.

MUMBY, Dennis K.; MEASE, Jennifer. Organizational discourse. In: DIJK, Teun A.V. (ed.). Discourse studies: a multidisciplinary introduction. Londres: Sage, 2011. p. 283-302. DOI: https://dx.doi.org/10.4135/9781446289068.n14.

ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA EDUCACIÓN, LA CIENCIA Y LA CULTURA (UNESCO). Periodismo, libertad de prensa y covid-19. Paris, Unesco, 2020. Disponível em: https://en.unesco.org/sites/default/files/unesco_covid_brief_es.pdf. Acesso em: 06 jun. 2022.

PESSOA, Fernando. Páginas íntimas e de autointerpretação. Lisboa: Edições Ática, 1966.

ROSS, Andrew S.; RIVERS, Damian J. Discursive deflection: accusation of “fake news” and the spread of mis- and disinformation in the tweets of President Trump. Social Media + Society, Londres, v. 4, n. 2, p. 1-12, 2018. DOI: https://doi.org/10.1177%2F2056305118776010. Disponível em: https://journals.sagepub.com/doi/10.1177/2056305118776010. Acesso em: 06 jun. 2022.

SCHLESINGER, Philip. Putting “reality” together: BBC News. Londres: Methuen, 1978.

TORGA, Miguel. Diário. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1999. v. IX-XVI.

TUCHMAN, Gaye. Making News: a study in the construction of reality. Nova York: Free Press, 1978.

WARDLE, Claire; DERAKHSHAN, Hossein. Information disorder: toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Estrasburgo: Council of Europe, 2017. Disponível em: https://rm.coe.int/information-disorder-toward-an-interdisciplinary-framework-for-researc/168076277c. Acesso em: 06 jun. 2022.

WEICK, Karl E. Sensemaking in organizations. Thousand Oaks: Sage, 1995.




DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v16i2.3347

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil