Gestão do conhecimento: ainda um obscuro objeto de desejo?

Paula Xavier Santos, Maria Elisa Andries dos Reis

Resumo


A falta de fundamentos teórico-metodológicos centrais que configurem um referencial sobre a Gestão do Conhecimento pode ser a causa do caos informacional que se observa neste campo. Neste artigo, defendemos a relevância do uso do termo Gestão do Conhecimento como forma de distingui-la da abordagem da Gestão da Informação. O compartilhamento do conhecimento é um de seus pressupostos básicos, mas a compreensão da Gestão do Conhecimento como processo para apoio à tomada de decisão não pode ser desconsiderada. A Gestão do Conhecimento também nunca foi uma prática exclusiva das organizações privadas. No Brasil, iniciativas do Governo Federal demonstram que o assunto faz parte de sua pauta e, independentemente dos diferentes estágios de implementação em que se encontra nas instituições, existe a preocupação de construção de uma política com diretrizes e estratégias claramente definidas. Esta visão deixa claro que o importante para o desenvolvimento das sociedades, das organizações e dos indivíduos nos dias atuais é o conhecimento e sua aplicação. No caso das instituições públicas, o conhecimento aplicado é propulsor de processos de produtividade e inovação.

Palavras-chave


gestão do conhecimento; gestão da informação; administração pública

Texto completo:

PDF PDF EN (English)


DOI: https://doi.org/10.3395/reciis.v4i5.499

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil